Sábado, 16 de Agosto de 2008

MANUEL ANDRADE

MANUEL ANDRADE

Manuel Lima Monteiro Andrade.

Quando não sabemos nós mesmos falar das coisas ou das pessoas, é nosso dever darmos a palavra a quem delas sabe.

Na impossibilidade de o fazer, aqui deixamos algumas passagens do prefácio escrito por Jaime Nogueira Pinto no livro póstumo “MÃOS ABERTAS” poesia, de MANUEL LIMA DE ANDRADE.

 

- Quando me pediram que escrevesse algumas palavras de introdução a estes poemas de um amigo desaparecido, poemas que mãos familiares e piedosas recolheram, com o amor e a dor de quem muito quis e muito perdeu, fiquei receoso. Comovido, pois que tocado naquilo que os dias e os homens me ensinaram ser mais valioso e verdadeiro, a fraternidade dos amigos e camaradas, transformada, por crueza da sorte, em sangue e silêncio quando alguém como o Manuel de Andrade, parte definitivamente e só o podemos relembrar.

Se um dia se fizer a história desta geração, que foi do Manuel de Andrade, minha e duns poucos amigos comuns, há-de encontrar-se uma galeria de homens e ideias novas.

 

Manuel de Andrade tinha um sentido estético, que se inclinava para os momentos belos, para as coisas, mas também para a ruína das coisas.

 

Mais uma vez vem á baila a frase célebre de Fernando Pessoa; “morrer é só não ser visto”….. E o Manuel de Andrade está aí, bem presente, está nestes versos, imagem fiel do que foi e criou. Versos de um jovem que sabia segredos e conhecia os outros.

Creio que a mensagem e memória do Manuel de Andrade, ficava bem assim, como uma lembrança e uma saudação a uma Rosa, à Terra, à Vida, aos vivos.

Deus o levou para Si, num dia de Setembro, ao começo da manhã.

 

    Do prefácio de Jaime Nogueira Pinto

 

MEUS BEIJOS

 

Na nocturna solidão

Meus beijos de longe vão

Cair mortos a teus pés

Vão no luar irmanados

Correndo loucos, coitados,

À noite de lés a lés.

 

Na noite sonho liberto

Sinto talvez mais perto

O calor do teu olhar

E a minha canção vadia

Com a noite magra e fria

Sem te poder encontrar.

 

Quando pela madrugada

Vem a verdade orvalhada

E a fria realidade

Tudo então desaparece

E do que a luz esvanece

Fica somente a saudade.

 

                                                        Manuel de Andrade

 

 

PORQUE HEI-DE CHORAR POR TI?

 

Tive pena de deixar-te

Tive pena mas parti.

Só se chora por quem parte

Porque hei-de chorar por ti?

 

No rasto do teu caminho

Canse-me de procurar-te

Mas quando parti sozinho

Tive pena de deixar-te

 

Dessa paz branda e serena

Que nos teus olhos senti

Confesso que tive pena

Tive pena, mas parti.

 

Porque razão teimarei

Se não sirvo para amar-te?

Parti e não chorarei

Só se chora por quem parte.

 

Se tu nunca te lembraste

Daquele amor que senti,

Se nunca por mim choraste

Porque hei-de chorar por ti?

                                                        

                       Manuel de Andrade

publicado por João Chamiço às 23:18
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Filipa de Jesus a 23 de Junho de 2011 às 23:13
Achei Lindo! Porque não é mais conhecido? Tanto talento! Queria tanto ter um livro...
De João Baptista-Lopes a 27 de Abril de 2012 às 17:53
Claro que é muito conhecido, sobretudo no meio do Fado. Muitos nomes conhecidos do Fado (de qualidade) cantam Manuel de Andrade.

Comentar post

.mais sobre mim

.Agosto 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. JOÃO SILVESTRE

. ROSILDO OLIVEIRA

. FERNANDO NEVES DIAS

. NÃO MORRO, PRA NÃO MORRER...

. MOVIMENTO - ROSILDO OLIVE...

. JOSÉ LIMA DE ANDRADE

. FALECEU MATIAS VERÍSSIMO

. CANÇÃO DO VENTO

. PALÁCIO DE...

. ...

.arquivos

. Agosto 2011

. Novembro 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Junho 2009

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

.tags

. todas as tags

.links

.pesquisar

 
blogs SAPO

.subscrever feeds